Skip to content

3% e o que achei da nova série da Netflix!

Fala muito e pouco mostra, vem ver o que eu achei de 3%

Semana passada estreou a primeira série original da Netflix produzida totalmente no Brasil. E como a primeira temporada é pequenininha, só oito episódios, eu resolvi fazer uma maratona no final de semana  😉

3% conta a história de uma sociedade distópica (tipo Hunger Games e Divergente, sabe?), onde ao completar 20 anos você passa por um Processo para ter a oportunidade de sair da parte pobre da sociedade e ir para o Maralto, porém só 3% deles podem ser aprovados.

A premissa  é boa, mas o desenrolar da série deixa muito a desejar. Sabe aquela velha história de não fale, mostre¿ Pois é, em 3% parece que se esqueceram dela. Muito se fala do Maralto, a parte rica e super desenvolvida da sociedade, mas pouco se vê dela. Você termina a série com aquele gostinho de “ok, me mostre logo isso que eu não aguento mais!”. Pode até ser manobra do roteiro, não mostrar o Maralto e deixar tudo para a segunda temporada, mas parece que faltou alguma coisa na série, sabe¿ E, aliás, não deixou nenhuma curiosidade, só decepção mesmo.

Falando em faltar algo, a série é cheia de quases. Quase tem críticas à sociedade, mas elas são rasas e não passam a ideia principal, aí você fica sem saber se no próximo episódio vai ser explica, vai ter o desenrolar dela, mas não, morre ali mesmo e você fica meio perdido. Me lembrou muito hater de Facebook: reclama, mas nunca sabe porquê.

3Protagonistas de 3%

Outro ponto negativo da série são as atuações, não digo atores, porque muito deles nós já vimos atuar em outros lugares e sabemos que eles são bons, mas em 3% parece que isso ficou perdido. Os atores parecem perdidos em cena, as emoções foram cortadas da série e os pontos – que eram para serem importantes – não passam de mais uma cena sem interesse. Você sabe que aquela cena deve ser importante, mas as atuações não demonstram isso, e você fica esperando algo que nunca vem 🙁

Mas nem tudo é ruim na série, amei o figurino alá Star Trek (só eu fiz essa relação¿), e ver um elenco diversificado foi ótimo. Vimos negros em papeis importantes, sem nenhuma carga de estereótipos e um cadeirante como personagem principal, inteligente e, se podemos assim dizer, normal. Nada de drama sobre isso, a não ser quando o momento pede.

Enfim, a série não é uma maravilha, tem seus pontos altos, mas peca em muita coisa. Se eu espero por uma segunda temporada¿ Cara, não vou morrer de ansiedade, mas se rolar, eu com certeza assistirei! Afinal, é uma série brasileira, e isso é meio difícil de rolar, não é mesmo?


Alguém assistiu também? Deixe aqui sua opinião. Aliás, alguém tem uma série para indicar? As minha acabaram e eu preciso de novas!

Facebook Comments